Angel

Faz frio e chove essa noite. Clima propício para lembranças ruins virem à tona, mas também para ressaltar o fato de que desde ontem a minha vida começou a ser outra. A felicidade me pegou de tal jeito, que não vou deixá-la fugir de forma alguma. A minha felicidade tem nome, sobrenome e endereço. Prefiro deixá-la em segredo senão vocês vão se apaixonar por ela também. Os olhos dela são azuis, azuis de um céu numa manhã de junho, véspera de inverno. Eu nunca sei bem quando as coisas realmente começam, e nunca sei do que sou capaz. Para mim é tudo tão novo, e cada frase dela para mim é sempre a primeira vez. Tava cá tristinho, até o momento em que ela apareceu. Tudo foi acontecendo e quando vi já não era mais eu e sim nós. E o meu plano de não gostar nunca mais de ninguém tinha ido por água a baixo. Nunca é muito tempo, e cada instante é sempre; e nunca mais outra vez. No meio dessa cidade nojenta e cinzenta surgiu uma fresta de luz que me guiará até um outro lugar distante daqui. A voz dela é um tom suave para os meus ouvidos. As lágrimas, fonte de comoção e de reconhecimento. Tudo tão real e ao mesmo tempo tão mágico. Pisco os olhos e não sei mais se vivi na fantasia ou me perdi na realidade. Ela é um mito de tudo que eu sempre sonhei. E é um mito que apareceu para mim, como um sonho que se realiza. Ela tem todos os defeitos de uma mulher perfeita. Pode ser egoísmo, mas preciso roubá-la só para mim. No teu abraço sei que todos os meus fantasmas do passado vão se sentir intimidados. E vão querer estragar nosso progresso de dois dias. Que para mim pareceram anos, no bom sentido. Quando deus disse para eu ter paciência, que ele estava guardando algo melhor para mim, acho que ele se referia a você. Como um anjo que caiu do céu, só para olhar nos olhos dela e perceber que a vida é movida por sonhos. E que meu sonho sempre foi ter alguém como você.

Retrato

Meu coração parece ter 1 milhão de anos, e quando penso que ele já sofreu de tudo, o coitado se machuca outra vez, e isso machuca. Eu invento planos, fico imaginando lugares que eu quero conhecer. Dinheiro nunca foi o problema, o problema é que tudo fica melhor quando feito a dois. E quando se trata de eu e mais alguém, triste é não querer e estar só. Tão só e somente. Nunca fui perfeito e sei que cometo muitos erros. Meus erros, mais do que meus acertos, me fizeram ser quem eu sou. Eu não mudaria nada em mim, mas mudaria muitas coisas nesse tempo que passou, e não volta mais. Tempo, sem contagem de dias, meses ou anos, apenas o tempo. Me sinto só, principalmente quando esse vento gelado entra pelos buraquinhos da janela. Se faz 8 ou 6 graus eu não sei. Faz frio em Curitiba, mas o inverno já cresceu dentro de mim faz tempo. O futuro é um dia nublado, e não vejo muito além dessa neblina que parece que nunca vai passar. O presente, é uma armadilha que me prende e não me deixa fugir. Aos poucos a ferida aprofundou tanto, que não teve mais jeito de cicatrizar. A vida bate forte, e às vezes é melhor apenas se deixar ferir. A gente nunca sabe o que se passa no coração dos outros. Ilusão seria pensar que as pessoas se preocupam com o que se passa no nosso. Doer faz parte do esquecimento, mas quando você finalmente acha que seguiu em frente, fantasmas do passado vem me assombrar. Eu sempre quis saber qual o significado de amor, mas quando esse significado aparece depois de tanto tempo, percebo que não deveria nem ter começado a procurá-lo outra vez. Porque além do destino, o amor também brinca com as pessoas. Depois de pouco mais de um ano, voltei a sentí-lo outra vez, e dói. Dói saber que amor é isso, ver quem se ama feliz, mesmo que não seja com você. E cada dia parece te deixar mais distante, nesse silêncio que nenhum de nós planejou.

Segredo

Eu espio pela janela só para saber se tem alguém de olho. Fujo pelos canteiros e passo na frente da sua casa, aceno, chamo e você não responde. Seu olhar são apenas pitangas no jardim. E seu olhar parecia um pouco com o meu, afastado de tudo e morando aqui. Menina, o mundo samba quando você samba também. Seus instintos são segredos que desafiam até os meus medos. Minha mão junto da sua nos leva a lugares distantes daqui, e o universo é apenas uma ilha. Faço planos, e meus desejos são tirados de mim. Se a fé move montanhas, esqueceram de nos dizer quais. Os piores inimigos são aqueles que estão mais perto de ti, fingindo qualquer tipo de afeição, só para saber os seus gostos e certas fraquezas, para então, usá-las contra você. De tudo que é mais sagrado, eu quero para a vida inteira. Mas se uma noite eu me esquecer de pecar, fica entre nós o segredo.

Pássaros

Liberdade é deixar quem você ama livre, para fazer o que quiser. Livre para voltar quando a saudade apertar. Livre para se perder, sabendo onde vai te encontrar. Livre para esquecer, sabendo a hora de recordar. Livre para se apaixonar por outro alguém, sabendo que ainda é capaz de amar. Livre para correr pra longe, sabendo a hora de voltar. Liberdade é silêncio, sussurro pertinho do ouvido. Ouvir mais do que falar. É abraço de despedida, não vendo a hora de se reencontrar. É encontro marcado sem ligar. É surpresa na vida quando menos se espera. São palavras doces e suaves ditas ao telefone, que façam sonhar e perceber, que o que falta não é o meu eu em você. Liberdade é a nossa prisão intelectual. Liberdade é você e eu. Antes que eu me esqueça, liberdade para mim é pouco, e o que eu quero ainda não tem nome.

Ampulheta

Num relacionamento, seja ele afetivo ou amoroso, muitas vezes cria-se uma ilusão. Sempre acontece de querermos tanto alguma coisa, que a idealizamos. Nos apegamos à ideia de ter o objeto afeiçoado, não ao objeto em si. Assim como bebidas, sentimentos tem que ser destilados, filtrados. Difícil é distinguir quando o muito é pouco e vice-versa. O ponto ideal para mim é distinto do ponto ideal da maioria das pessoas. O perfume para mim, é veneno para você. Tudo depende da fragância. Pensamentos são labirintos, e as dúvidas são um minotauro. Ficar e correr, voar pra longe, ou simplesmente fugir. O livre arbítrio é universal, mas a solução é única e de cada um. Às vezes o passado vem atormentar o presente, precisando apenas do momento errado para fazê-lo. Às vezes, o destino nos reserva algumas surpresas. Às vezes, melhores surpresas são aquelas que fazemos para nós mesmos. Nos prendemos tanto a certos momentos, que essa prisão acaba libertando-os, sem percebermos. Lamentava muito certas perdas, mas cada passo que dei a frente, deixei uma saudade e um nevoeiro pra trás. A vida é só um jogo de escolhas que precisa de um pouco de sorte. Ganha quem sabe perder. E quem perde, ganha por outro lado. Ganha quem soube esquecer. Relevar. Perde quem não soube superar. Quando se luta muito pelo que vem logo à frente, tudo que ficou pra trás torna-se apenas uma folha que é levada pelo vento. Como uma garrafa vazia num balcão de bar. Vazia, e tão cheia de si.

Inércia

Sabe quando você quer parar, mas você simplesmente continua? Tudo te motiva a desistir, mas você segue firme e forte na luta. Quando você passa por tanta coisa ruim e quando acontece outra, você até dá risada. A vida me bateu muito, calejou muito a alma e a mente. As pessoas me disseram que eu não duraria um ano no mundo real; eu digo que elas não durariam uma semana no meu. Não posso (ou não consigo), descrever a sensação de ter que acordar todos os dias, sabendo que todos seus sonhos foram arrancados de você. Ou pior, escaparam de você. Nunca tive sorte no amor, nem com amizades. Erraram muito mais comigo do que errei, mas não guardo ressentimentos de ninguém. O meu caminho é ser só. Antes eu tinha medo do que poderia acontecer, caso eu não conseguisse fazer tudo que eu sempre quis fazer. Hoje, aprendi que os espinhos vem primeiro, para depois a vida te coroar com rosas, ou mais espinhos. O destino realmente brinca com as pessoas. O meu destino é uma página cheia de rabiscos e lacunas levadas pelo vento. Voou pra longe.

Sonhos de Uma Manhã de Outono

Esquecer de viver é só lembrar de sonhar. Nos sonhos, todos os nossos desejos se revelam e se realizam. Ontem à noite eu sonhei que eu era você. Não existe impossível. Tudo o que sempre sonhou leva uma fração de segundo. Riqueza, magia, relacionamentos e fantasias. No subconsciente, nossos sonhos mais malucos buscam inspiração e uma voz. Tudo acaba depois de acordar, ou não. Eu fico aqui sonhando acordado. Se você pode sonhar, você pode realizar. Tudo que precisamos é que alguém acredite nos nossos sonhos. A força de vontade e um pouco de sorte são elementos essenciais e tem que estar na bagagem. Haverão forças negativas e diversas, muitas pessoas desacreditam, desacreditaram e desacreditarão de mim. A linha tênue entre os meus sonhos mais singelos e meus desejos mais honestos. Eu sonho acordado e caio no abismo da realidade. Eu nunca vou desistir dos meus sonhos. Li em algum lugar, que uma pessoa só é digna de viver se ela tiver algo pelo que ela possa morrer. Eu morreria pelos meus sonhos pela simples vontade de torná-los reais. Também para mostrar a essa aura escura que me rodeia que eu sou capaz (não que eu precise provar algo para alguém). Tudo que acredito se resume em instantes. E cada instante é hoje e sempre (nunca mais outra vez). Tudo que sonho depende do momento. O momento não é mais daqui, porém o meu sonho não se perdeu.

Poder

O poder de uma palavra é algo que assusta até a força do silêncio. Colateral. O mundo anda tão complicado, não passamos de agentes temporários sofrendo efeitos colaterais. A violências invade as ruas, não são mais os ladrões que estão atrás da grades. Enquanto o humano só pensar em dinheiro, tudo vai ser feito para omitir a verdade. A verdade é que ninguém gosta de ouvir a verdade. Condenam a mentira, mas deliciam-se com seu poder manipulador, sem perceber. Amor virou fábula, coisa de filme, livro e novela. Contrato social entre dois indivíduos onde um oferece algo que o outro precisa. Às vezes nem isso, simplesmente pelo fato das duas pessoas terem medo de ficarem sozinhas, acabam ficando juntas. Ou pior, pelo dinheiro, pelo tão sonhado status social. Se for para ser assim, eu prefiro ficar só. Mesmo que doa em silêncio e ninguém saiba da minha dor. A minha força se encontra na solidão, ela tem imenso poder e dá olhos de águia. A percepção é uma navalha que corta a pele e sangra suavemente. As mentiras alheias acabam confundindo as nossas verdades. Nossas palavras são objetos de armamento, para serem usadas contra nós quando menos esperamos. Mil acertos, nenhum elogio. Um erro, mil condenações. Assim que a vida é, traiçoeira como uma naja pronta para dar o bote certeiro. Fria como o inverno russo. Quente como o deserto do Saara. Nós nunca sabemos quando estão tramando contra nós, até o momento que tudo aparece límpido, como a água do mar nos paraísos nordestinos. As pessoas acreditam no que querem acreditar, acreditam no que lhes é mais conveniente. Mais vantajoso e menos adverso, quase sempre mais contraditório. Odeio quem rouba meu riso à toa, rouba meu sorriso como um ladrão de almas que some para sempre. Sem dar satisfações e sem dizer adeus. Não é justo alguém tirar o melhor de ti e depois partir. É como se alguém arrancasse o melhor de ti e deixasse o resto, menos conhecido, para trás. O que sobra de mim é só o trapo, a linha sem o tricô e a agulha. O retalho sem colcha. O olhar sem brilho, que vê mas não olha. O mundo gira e tira tudo do lugar. Canso-me de diálogos sem começo nem fim, diálogos que apenas seguem sem seguir uma lógica concreta. Canso-me ainda mais fazer uma pessoa se sentir o foco da atenção, alguém que eu sempre tenho que lançar alguma palavra, senão o silêncio se faz mortal e constante. A gente não devia ser obrigado a correr atrás, mas corremos e sabemos que só assim algumas relações permanecem vivas. Aos trancos e barrancos, porém vivas. É tão raro conhecer alguém que não tenha orgulho de algo que nem existe, que se deleite com a conversa mais fútil do mundo. Num café, num banco de praça, numa sala, na rua, seja lá onde for. Pessoas simples, de alma pura e cristalina. Pessoas que tem o poder de mudar o mundo. Mas tem medo, assim como eu, de que todo esse esforço seja inútil. Porque querendo ou não, ser diferente cansa, mas a vontade de não continuar igual à massa predominante ainda é maior. Porque cansa quebrar a cara com gente que não juntaria um caco por nós. Pois no fim, tudo o que nos resta é a morte. E a morte tem imenso poder, muda a vida sem querer, programando o inevitável para mais cedo ou mais tarde.

”Cansado de coisas que só começam, hoje eu só queria que algo continuasse.”

Estrada

Pé na estrada e o coração na lua. Por mais que eu tenha motivos para dizer que não, eu acredito no amor. Acredito porque ele se manifesta mesmo à distância. Acredito porque ele desperta o melhor das pessoas. Não há nada melhor do que ver alguém que se preocupa conosco feliz da vida, morrendo de amores. Não tem segredo, quando duas pessoas estão realmente destinadas a ficar juntas, juntas elas vão ficar. Amor quando não cabe em um, se divide em dois. Amor é uma página da vida marcada no tempo. É fotografia de um momento que vai ficar para sempre na memória. Na distância tudo se perde, ou se ganha para sempre. Bom é quando o amor ganha e mostra para todo mundo que eles estavam errados. Felicidade baixinha é feliz melhor, ninguém inveja, nem quer tirar parte dela. Amor não pede nada em troca, ele só precisa que duas pessoas acreditem nele. Às vezes, duas pessoas precisam ficar distantes para saber que isso era o certo a se fazer. Mas às vezes, elas precisam ficar distantes para saber o quanto uma precisa da outra. Para saber que o lugar da outra sempre foi ali, num chamego e um abraço. O tempo é traiçoeiro, mas também é vantajoso, ele traz as coisas certas para quem sabe esperar, para quem soube perdoar. Porque no final das contas é assim, acerta quem erra menos. As coisas boas superando as que tiveram que errar. Saudade é pedágio, amor é estrada.

Cores

Sol, lua, estrelas, noite, grilos, barracas, gramados e o barulho único da noite. Verás que o universo é do tamanho da imagem que cabe no seu olhar.  Feche os olhos e veja pequenos pontos coloridos circulando pelos seus olhos, até que forme uma claridade em forma de circulos, espirais ou em forma oval. Abra os olhos e veja um clarão, depois a escuridão da noite acima de ti. Teu sorriso começa depois do suspiro e ele não assusta os pequenos animais que brincam ao seu redor. As cores que você imagina cabem todas no arco íris e nenhuma delas reflete a cor do seu olhar. Dance até a sola dos pés arderem em carne viva, até o sol dizer que é um novo dia e tudo não saiu do lugar. Ande descalça naquele solo cheio de pedras e cuidado onde pisa. Marcha na direção que o sol brilhar. Procura a paz da tua vida num lugar onde não há nenhuma nuvem. Vive teu sonho num paraíso privado onde o arco íris reflere na íris do teu olho e seu cabelo assume diversas tonalidades. Vive, que a vida não espera por ti, nem por mim. Agradece teu universo e tua coragem. Aprecia a paisagem enquanto ela existe. Agradece o momento enquanto persiste. Reza antes de dormir e quando acordar, lembra que tudo não passou de um piscar de cores.

Abismo

“Whoever fights monsters should see to it that in the process he does not become a monster. And when you look into the abyss, the abyss also looks into you.”

 

Nietzsche tinha razão. O cuidado nem sempre é pouco quando se luta com monstros, sejam eles pessoas, atitudes, fatos e o pior de todos os monstros: o pensamento. Dele surgem todas as nossas emoções e insatisfações com o pequeno inferno que nos circunda. Quando passei a adentrar certos territórios psicológicos que não me pertenciam, eu olhei para o abismo e ele também olhou para mim. A vista era bonita ali, num silêncio absoluto e mortal. No menor deslize, eu escorregaria no escuro sem ter nenhum galho para tentar me equilibrar. Dizem que veneno só faz mal se engolir, mas esquecem de mencionar que há venenos que matam só por estar lançados no ar. Não falo de drogas, nem coisas do tipo, falo de fumaça, fábrica, automóvel e mentiras que pairam no ar. Nos pequenos detalhes o pequeno nó que segura a máscara vai afrouxando e a verdade finalmente aparece. Depois de um certo tempo, a gente vai aprendendo as malícias da vida e seus incríveis traquejos. Percebe quem presta e quem não presta só no jeito de falar, principalmente no jeito de agir. Sem nem conviver junto. Tem que saber estar perto mesmo estando longe. Você deve estar me perguntando: como? Deixa para um outro texto. Para mim o certo e o errado nunca existiram, só existem dúvidas e circunstâncias. Porém sei o que para mim faz bem e que não me deixa dúvida alguma. Dizem que a ocasião faz o ladrão. Digo que existe uma tendência a ser feito de bobo o coração. Na primeira é erro dos outros, na segunda é deles também, mas principalmente nosso. Por se deixar levar pelas circunstâncias e desejos profundos , tão quanto um abismo. Tem gente que nasce mesmo do avesso, no avesso fica até o resto dos dias. Tem gente que é cabeça dura mesmo, acreditando que seu mundo de fantasia vai ser sempre real e nunca questionável por ninguém. Com gente assim só existe salvação se houver um milagre. Esse milagre não vem do céu, nem da ciência. O castelo de cartas cai e nunca mais se sabe onde foi o começo. O fim sempre gera um novo começo e vice-versa. Acontecem coisas teoricamente impossíveis, inimagináveis, jamais imaginadas. O milagre acontece. Ninguém sabe o que aconteceu e como aconteceu. O abismo e um monstro vistos de uma outra dimensão. Trauma, cura, abrir os olhos, evitar o inevitável, seja lá o que for. Um milagre só precisa que alguém acredite nele. Vez em quando eles acontecem e ninguém ficou sabendo. Antes de sair para o mundo, já tinha começado dentro de nós. Sem pedir, pensar, nem acreditar. Uma bandeira branca simbolizando a paz, que não é uma escolha e sim uma responsabilidade. O fim do abismo às vezes só muda de lugar para que possa haver um outro. Destino ou circunstâncias ninguém saberia dizer, só temos que estar preparados.

Cinematográfico

Cinematográfico

Onde estão aquelas pessoas apaixonadas pela arte, pelos livros, por cultura em geral? Onde está o bom gosto musical, social, cinematográfico, gastronômico e literário? Gente que tem um brilho nos olhos que revela saber tudo, mas são apenas pessoas que querem descobrir o mundo. Cadê aquele abraço sincero, demorado, sem segundas intenções? Gente que acredita no futuro e odeia o presente tanto quanto eu. Gente que tem fé que um dia tudo vai se resolver e ficar em paz para sempre. Que aprecia o pôr do sol, o nascer do sol, todas as dádivas da natureza. Gente que faz o coração acelerar logo no primeiro golpe de vista. Que nos olha de uma maneira que nenhuma outra pessoa olha. Gente que faz o mundo ser mais nós e menos eu. Que sorri com os olhos e ainda diz palavras bonitas não decoradas. Gente honesta, que não mente por coisas fúteis e às vezes tem que esconder a verdade só para não haver mágoas. Gente que vai atrás do que quer e não tem medo do destino, nem dos obstáculos da vida. Que não tem orgulho, que saiba a hora certa de falar e saiba a hora de ficarmos em silêncio. Gente que não fala nem sempre consente. Que diz coisas boas e inesperadas nos momentos mais aleatórios. Gente que liga, se importa, compartilha, sofre com a gente. Que saiba respeitar o nosso espaço e também nosso silêncio e nossa solidão. Gente que não força a barra, que não faça joguinhos, senão de amor. Que sabe ser irônica e sarcástica, mas não de má fé. Gente que saiba agir como adulta e saiba usar os momentos certos de ser criança. Que faz o mundo ser melhor só por existir. Gente que querendo ou não, seja um dos motivos para eu escrever algo assim. Que não precisa pedir muito para não ser tão pouco. Gente que eu só vejo nos filmes e leio nos livros. Que seja um pouco assim como eu, detalhista e observador de tudo. (Como é difícil…)

Ou os Dois, ou Nenhum

Gosto do que já se perdeu, admiro o que a vida levou com o tempo. Porque sempre me deixa alguma história para contar e escrever. Gosto do que não existe mais, o que ainda habita em mim mas em outro alguém é apenas um vazio, um vácuo distante. Um som que não existe no espaço. Memórias são lembradas com importâncias diferentes e de formas diferentes. Quão fiel cada um de nós é em relação às nossas memórias? Cada um lembra de um jeito, valorizando partes que talvez para o outro fossem indiferentes. A verdade é um sol que arde nos olhos nos impedindo de enxergar com clareza. A verdade é nua e crua. Ou os dois, ou nenhum. Sorriso discreto e uma risada sutil. Nem você, nem eu. Lembro como se fosse ontem, como num sonho ao despertar. Nenhum de nós esteve mais ali.

Poção

Escrevo para ninguém. Meus textos não são para ninguém além de mim, quando me olho no espelho. Uma auto-crítica, reflexo num espelho côncavo-convexo. As palavras tem mágica. Feito magia e poção. A gente nunca sabe quando o eu deixa de ser nosso e começa a se esconder em outro alguém. Quando não nos pertencemos mais, adentramos num jogo perigoso, onde o jogador principal passa a querer controlar todas as ações, dominar situações. Nos tornamos dependentes, sem perceber. Por essa dependência, as pessoas tendem a se sentirem donas de nós, não buscando contato, o mínimo de afeição. Imaginando que nós, os outros jogadores, obedeceremos às regras deste jogo. Imaginando que nós vamos atrás do que era nosso por direito. Ou o que era para ser. Eu não obedeço à nenhuma regra, e até que me divirto com essa história de saudade de um lado, e desapego do outro. Depois de um tempo, é fácil perceber quando alguém faz questão da nossa comunicação. Quando não, nossas palavras são apenas vozes no vazio, que fazem eco e não trazem nenhuma resposta. Pessoas fingem que não leem, fingem não estar ali, quando o que mais queriam era apenas ter certeza que a nossa presença estava ali. Quando sim, a magia entra em ação novamente, e nos momentos mais inesperados aparecem letras no vento. Surgem com eles as palavras mágicas e também venenosas. ”Senti a tua falta.” ”Por onde você andou?” ”Eu nunca mais te vi por aqui.” Às vezes nem isso, apenas surge o modesto ”olá, tudo certo?” A gente nunca sabe quando essas palavras são ditas com a pureza na alma ou com a perversão da mente. Difícil saber quando estamos ali de fato pelo nosso mérito, ou só estamos tapando o buraco que alguém deixou. A pior distância está presente na presença de duas pessoas. Como já disse e direi outra vez: na distância tudo se fortalece, mas também nela tudo se pode perder e desaparecer para sempre. Às vezes me pergunto onde é que eu erro, e a resposta aparece de súbito: eles não sabem o que dizem, muito menos o que fazem. Alguns sabem exatamente, todos tem seus motivos, mas nem sempre tem razão. O poder de ler mentes cairia bem em mim, como uma meia de lã num inverno rigoroso. Não para manipular o presente e o futuro, mas apenas para economizar minha energia e tempo com gente que não merece um segundo do meu tempo, nem um pingo de atenção. Ainda não inventaram uma poção para isso, entretanto, a mágica já está fluindo por aqui.

Zwei

Quero tapar os vazios que você e todas as outras deixaram. Tornei-me vazio, como um copo depois de um shot num balcão de bar. Fica tudo registrado, como numa folha antiga escrita com nanquim. Você não existe mais como eu gostaria que fosse. Te procuro em outros corpos, outros beijos e outras faces. Tento fugir para lugares distantes, mas ainda não cheguei aonde queria chegar. Não tenho vergonha em dizer. Seu sorriso discreto, suas bochechas que ficavam rosas facilmente, teu colo, teu olhar, teu chamego, teu abraço. Tudo isso misturado com o som da sua voz era uma viagem no tempo. Pra um lugar onde nenhum de nós sabia, mas na mesma direção. Eu que não tinha nada e nunca havia tido ninguém, tive você. Te perdi como um pássaro que foge da gaiola por não poder mais voar e cantar em paz. Não tenho vergonha de me lembrar com saudade e me despedir outra vez. Muito menos receio. Tenho vergonha por esta descrença, por essa falta de sentimentos. Por esse medo de acreditar no amor mais uma vez. Construí uma barreira que acabou se tornando um castelo, do qual não consegui mais fugir. Depois de tanto tempo, o teu efeito não é mais alucinante, porém ainda é mágico sobre mim. Como uma droga que invade o sistema nervoso central e causa dependência psíquica. Manter contato contigo era tóxico para mim e para ti, tentar um novo começo. Um veneno que eu injetava diariamente e até hoje não encontrei o antídoto certo. Tomei vários coquetéis na veia com a esperança que um deles me trouxesse você de volta. Você não olhou para trás, nem eu, quando te deixei partir. O seu medo me dava medo. Medo de se entregar completamente, como eu me entreguei. Quando penso em ti, sorrio. Aparece uma motivação de ser uma pessoa melhor para mim e para os outros. Num futuro próximo, não nos veremos mais, e me sinto tão pleno de si. Dono do mundo, e também um grão de areia que voa com o vento. Leve e sem direção. Micro partícula formada há 1.000.000 de anos atrás. Talvez mais. Na minha eterna busca, eu tentei me curar e tentei curar outras pessoas. Acabei ferindo mais a mim mesmo, como um corte que sangra sem perceber e infecciona. Procuro alguém que queira viajar comigo. Viajar pro lugar que um dia nós queríamos tanto conhecer. Eu que fiz tantos planos malucos, hoje não sei do que será composto o futuro. Você que dizia que eu sempre sabia usar as palavras certas na hora certa, não saberia dizer. A areia que desce da ampulheta deixou todos flutuarem para baixo, e o tempo se foi para mim. Não sei se me perdi ou foi ele que não encontrou nenhum de nós dois. Logo eu, que sempre fui tão pontual. Perdi o horário. Te entendo como ninguém, mas isso nunca foi o suficiente. Sempre vou entender seus impulsos nem sempre lúdicos. Gostava de ti porque tirava o meu sossego, me dava medo, me surpreendia de todas as formas possíveis. O inverno está chegando e os lugares que passeávamos continuam os mesmos, mas a minha câmera mudou. Vou tirar foto do que se perdeu, do que um dia foi bonito, do que não volta mais. Com foco e filtros diferentes. Prepara teu casaco azul.

Hot Like Fire

Nas profundezas da noite se escondem os meus medos, meus segredos, meus melhores dias. Caminho só e distante na noite fria, de vez em quando passa um carro me encarando, mas eu estou estranhamente seguro ali. Piso em falso, quase caio em um buraco na grama, dou risada e sigo adiante. Nem me lembro qual foi a última vez que eu bebi, nem me lembro mais quando andei acompanhado nas noites. De tanto andar só, a noite se transformou em mim, e eu me transformei nela. Cúmplices perfeitos de crimes e delitos públicos que alguns alguéns viram. Tão sós em nós mesmos. Eu e a noite. A noite e eu. A cidade sempre me pareceu mais interessante quando as luzes dos prédios e outros lugares ficam acesas. Vez em quando escuto orgias no escuro, gritos, sussurros, tapas e gemidos. Rio freneticamente me lembrando de ti. Você e suas orgias. Suas orgias e você. Cúmplices desde sempre. Selvagem, indomável e maluca. Nem deus sabe do que você é capaz, meu amor. Você e a noite. Amigas de longa data. Quase um ano passou e a minha esquina ainda não cruzou com a sua, e já te procurei em todos os bares da cidade. Você não estava ali, meu amor. Por onde andas? Onde andas que já não te percebo mais?

Um whisky com gelo por favor. Mais um para a ruiva que acabou de entrar. Por minha conta. O doze anos desce trincando o estômago, e minha mente grita por ti. Mão na coxa, zíper que se abre. Onde é que eu fui me meter. Literalmente. O sexo dela é fogo e o meu é oxigênio. Um alimenta e aumenta ao outro. Qual é o seu nome? – perguntei. Eu sou a dama da noite, o pesadelo dos amores perdidos. – ela respondeu. Beijo com gosto de beijo não dado. Disseram-me que essa droga vicia, essa tal de abstinência amorosa causa até anorexia. Meu amor, o que eu posso fazer se depois de você, as outras são só as outras? Você é dona desse jogo que eu já não jogo mais. As regras são suas e as jogadas já são mais minhas. Xeque mate no xadrez, o rei sem ter pra onde fugir. Pra onde é que eu vou se não pra onde o coração mandar? E foi lá pra longe.

Tão próxima, sem seu endereço. A vista do seu prédio é quente como o cobertor que te esquenta solenemente. Fria como a brisa que sopra quando você chega de madrugada. Kiss, kiss, kiss, and kiss and kiss. Saudade é parte do processo de seguir em frente, mas de que adianta dar 2 passos a frente e outros 10 pra trás. Eu sabia que você era problema. Gostava do erro mais do que do acerto. Sem solução. Estratagema mirabolante que até hoje ninguém soube resolver. Ela sabe ser quente como ninguém. Quente como o fogo. A paixão arde dentro dela, como o sol que queima no verão. As amigas não sabem, os homens não percebem. Um olhar diz muito mais palavras do que as pessoas costumam escrever. Quem é esse sujeito que conquistou meu amor? Seja feliz meu amor, e quente como o fogo. Para sempre e depois.

E com ela foi assim: amor antes da paixão. Fogueira antes da chama. A chama apagou tudo que a fogueira não quis deixar apagar.

O Antes, o Agora e o Depois

Tudo mudou, e não preciso que ninguém acredite nas mudanças para saber que as coisas tenham mudado. Teu fantasma me assombra na luz do dia, e à noite tudo fica em paz na minha guerra. Teus olhos me enxergam antes que os meus te enxerguem. Se dissipam rapidamente no intervalo de um piscar. Olham rapidamente para outras direções. Perdi o brilho do teu olho, quando fugi comigo. Quando chego, olhos me observam com ar de medo, e dúvida. Olho para o nada e finjo pertencer àquele lugar. Histórias que antes tiravam meu sono, hoje entram por um ouvido e saem pelo outro. Já não tenho mais meus fones de ouvido, que me separavam de todas as verdades do mundo. O que restou foi a vida, em sua mais pura e complexa definição. Dura. Passos na calçada, barulho de folhas, pessoas conversando sobre diversos assuntos. Minha mente sempre distante dali. Hoje mais do que nunca. O que eu queria há quase um ano vai se concretizar. Não pensei nas consequências que isso poderiam me trazer. Tudo vai ser novo para mim, e eu que sempre gostei da mudança, admito que estou um pouco receoso. A novidade é boa, mas a comodidade de conhecer o silêncio de todos, talvez não seja a melhor coisa a se fazer; quando não se conhece a voz de todos que estão prestes a ser conhecidos. Desço as escadas rapidamente, apresso os passos descompassados. Não vejo a hora de sair do seu campo de visão e desaparecer de ti para sempre. Pergunto-me se você deseja o mesmo, ou fique sozinha pensando se um dia eu irei voltar. Vai ser melhor assim. Será?

Pacífico

Dois estranhos no barco fugindo numa embarcação, ele não a conhece, ela não o conhece. Atravessam o oceano Atlântico e não dizem sequer uma palavra. Fazem anotações de bordo a cada coisa diferente que enxergam, a cada olhar discreto que trocam. O navio acaba tendo diversos problemas, e uma viagem que normalmente duraria 1 mês, acabou durando 10. Dois corpos se veem e não se enxergam, pensam mas não refletem, falam e não dizem. No meio do oceano não havia ninguém além deles. 30 e poucos passageiros estranhos, e nenhum dos dois sabia o que estava fazendo ali. No começo dava uma certa maresia, uma vontade de se jogar naquela água gelada e morrer de frio, sem avisar a ninguém. Chovia, nevava, e eles permaneciam ali, imóveis. Não existia nenhum relógio, e eles eram escravos do tempo. Escreveram muito. Ele muito mais do que ela. Ela preferia ficar entretida com seus pensamentos, muda e mal humorada. Ele não gostava de guardar nem os lápis de cor, quem dirá o que sentia. Sangrava tudo no papel, como se a vida dele dependesse disso. Dizem que é preciso entender o silêncio para depois compreender as vozes, mas no caso deles o silêncio era sagrado. Um entendia ao outro sem que dissesse uma palavra. Quando um lançava um olhar, o outro virava distraído, fingindo estar focado em algo que não estava presente ali, e vice-versa. A viagem que começou no inverno terminou no outono. Hoje, eles estão quase desembarcando outra vez. Ele com seus escritos, ela com suas jaquetas de frio e sapatos. O inverno está chegando aos poucos, outra vez. Embarcarão de novo, só que dessa vez em barcos diferentes. Ela, para esquecer de vez. Ele, para nunca mais voltar.

large

Aluguel

Às vezes acho que nasci meio do avesso. Jogado pro alto, falando com o santo. Móvelrústico. Cabana no meio do deserto. Meio assim, infeliz com o mundo. Felicidade tem sido tão sofrida, tão batalhada. Mas idealizo a felicidade, e não sou feliz. Crio uma coisa só para me iludir que ela está ali. Sem perceber. Tudo tem dado tão errado, que já não sei qual vai ser minha reação quando algo der certo. Devo não ter nascido para o amor. Inimigos de berço sem opção. Muito mais ódio guardado do que amor. Amor a gente deixa voar. Ódio é uma pedra gigante no chão. Imóvel de aluguel. Morena, o amor tem um pouco disso, cê sabe. Um ama mais, por não receber amor na mesma intensidade. Sintonia e igualdade é pra quem tem. São pedregulhos no caminho que tropeçam sem te ver. Morena, não me aluga assim não, só por acaso. Faz de mim morada nossa. Só Deus sabe o que já fiz por amor. Sabe lá que loucura posso fazer por você. Compra uma passagem só de ida pro turista mais louco do teu coração. Ah morena, o mundo é tão grande… É pecado meu querer viajar só com você? Viver só com você? Planejar tudo e não ter você? Ah morena, se o mundo tivesse um pouco do amor que tenho por ti… Ah se tu soubesses, morena. Como é grande o meu amor, por você.

Transfusão

Transfusão

Em cada manhã eu me reinvento, te reinvento. Nos reinventamos. Não há nada que possa te tirar daqui. Em cada suspiro teu eu prendo minha respiração. Sufoco, quase me mato com a falta de ar. Quando o organismo involuntariamente respira, é ali que meu coração se junta ao teu. No silêncio do pulsar de um coração nossas mentes se encontram. É como se você já tivesse feito parte de mim, como sangue arterial e venoso circulando juntos por todo nosso corpo. Sou do tipo sanguíneo O+ (positivo), e eu ainda não sei qual é o teu. A noite é escura e cheia de terrores. Meu pesadelo é deixar de sentir que teu orgulho se perdeu do meu. Que em cada manhã, e em cada amanhã, a gente saiba o caminho para se reencontrar e viver novamente. Assim como um machucado que sangra um pouco, e querendo ou não, sempre leva um tempo para cicatrizar. Cada noite de um sonho de verão eu te sinto mais perto, e tua ausência se confunde um pouco com a minha. Onde já não sei mais se fui eu que parti, ou se foi você que me disse adeus. Em cada despedida eu te reencontro outra vez, esperando um dia em que não precisem mais de uma ampola vazia para esvaziar uma veia minha. Uma artéria nossa.

Heroína

Você é luz depois do caos. Sol depois da chuva. Verão depois do inverno. Antídoto depois do veneno. Paz depois da guerra. Cura para o meu vício. O melhor de mim eu só soube depois de mostrar a você. Tenho medo de estar errado sobre nós, mas que culpa tenho se é tu que invades meus sonhos todas as noites? Você é o mais perfeito enigma que eu já encontrei, e a resposta não precisa estar subentendida. Não tive escolha, a não ser me entregar por completo. O meu sistema nervoso grita quando você se vai, e o cardíaco quase entra em pane. O mundo gira mais devagar quando estamos juntos distantes, e eu não me lembro de um resquício de felicidade antes de ter você aqui. Vários olhares atraentes me olham, mas só tenho olhos para você. Monopoliza meu carinho na tua atenção. Presta atenção no que diz a minha voz rouca e perdida. Só não se perca na minha música. Esquece o teu sorriso no meu travesseiro. Tranca teu abraço num baú que só nós dois temos as chaves. Lembre de mim quando menos merecer, pois é quando mais tu precisas de mim. Eu que tenho quase tudo, desaprendi como era ter alguém. Você vai, mas sempre volta para mim. Tudo parece não fazer sentido, e estranho seria se tivesse algum. Olhos fechados, frenesi sentimental que vai até você. Você disse tudo que eu tinha medo de ouvir, e depois de correr perigo, me sinto plenamente dono de mim. Seguro. Seguimos nossos passos em estradas diferentes, esperando que um dia nossos caminhos sejam um só. Será. Somos um só caminho.

Pequim

Qual o valor de uma promessa? O famoso “para sempre” não dura mais que um instante. E o instante sempre passa por aqui. Paixão também sempre passa. Amor passarinho. Voa pra longe sem saber do que está fugindo. Difícil é querer dizer sem saber o que está sentindo. Progredir sabendo que está regredindo. Esconder um sentimento sabendo que está sentindo. Sorrir para o mundo sabendo que ele não está sorrindo. Fingir o riso quando estão rindo. Ver o mundo acabando. Saber que estão te enganando. O amor se comprando. A verdade rareando. A fé se perdendo.

Engrenagem

Chovia forte na minha mente. Os pés úmidos no asfalto, a camisa encharcada. Andarilhos no escuro. Cover de Kings of Leon a todo vapor. No saguão, bebuns e musas. A percussão mais alto que o vocal. Até eu que não entendo de Acústica, notei logo de cara. Tudo funcionando como uma máquina perfeita, na mais perfeita logística; até que o pensamento viajou até você, que nunca esteve aqui. Na ausência se prova o quanto um sentimento é real. Mas na presença, tudo pode se intensificar. Quando deixo de ser eu e começa você? No meu maquinário sempre falta uma engrenagem. A válvula que faz o sistema funcionar em perfeita harmonia. O teu eu mecânico, estático, que nunca vem até mim. Eu nunca sei qual parafuso devo apertar. A peça desaparecida que nenhuma loja tem para vender. Saudade de quem eu nunca vi. Saudade de ti. O engenheiro de corações diz que o amor é um sexo que quase sempre pega fogo. Para ser engenheiro, não precisa ser mecânico. Vice versa. Tudo segue girando na roda da vida.

Dentro da Música

Dentro da Música

A música é um remédio para muitas doenças que não tem nome. É cura para saudade, coração partido, tristeza, tédio, emoção, felicidade, indiferença, raiva e amor. Ao entrar pelas orelhas, múltiplos timbres tocam e vibram os tímpanos. Então, finalmente, é possível ouvir o som. A música é capaz de nos levar a lugares desconhecidos e desejados. Sem sair do lugar. Separa-nos da vida medíocre do dia a dia e nos leva a um novo mundo. Um mundo que moldamos da maneira que nós quisermos, com infinitas interpretações. Cada um sente a música de um jeito, e cada interpretação é um universo particular. Desde sempre, a música esteve presente nos mais diversos contextos, e assim continuará. Para sempre eternizada dentro de nós, como uma parte essencial da vida. Diversos instrumentos que fazem mágica, e transformam o lixo em flor. Música. Sempre você. Um eterno obrigado.

Falando com o Ego

Tanto fiz, que agora tanto faz. Minha vida é um ‘entra e sai’ de pessoas, eu sei. Muita gente entra nela, mas a proporção de saída é igualmente grande. Não peço para ninguém ficar, até facilito o adeus. Chega um ponto em que é preciso parar de bancar um Buda moderno, e pensar mais em si do que nos outros. Eu já percorri essa estrada do altruísmo, e olha só onde me levou: decepção, descaso, falta de camaradagem e claro, ilusão. Então tem sido assim, primeiro eu, depois quem estiver comigo. Meu bem estar não tem preço, e nunca terá. Se aceitar meus termos, ótimo, teremos uma baita amizade; porque não me doo pela metade, e não sei ser meio amigo. Se não, a porta está aberta. Só não fique no caminho, pois o vai e vem é constante, e cansei de ‘pra sempres’ que duram até depois de amanhã.

Piscina

– Onde o mundo só vê muros, eu vejo uma janela. A vida sem você é só um moinho de vento, e aqui a brisa sopra devagar.

Abraço será perder-se no seu olhar, quando me olhar de volta. Futuro do presente do indicativo: será você. Cada futuro é sempre, e parece que você sempre esteve aqui. Eu que nunca fiz planos, já até pensei em algo bom para nós dois. Cada música sintoniza sua frequência na minha mente, e o som arrisca fugir. Em vão. Não importa o lugar que eu visito, as pessoas sempre estão olhando para mim. Jeito discreto, sorriso malicioso, olhar de quem visitou o inferno e saiu vivo de lá. Quase sempre com fones de ouvido. Alheio. Coração cicatrizado dos hematomas e machucados do amor, e o pensamento viaja até você. Sob os olhos dos outros, mais um estranho. Sob o meu ponto de vista, mais um sobrevivente. Logo quando desperto, primeiro enxergo o escuro, depois você. Eu vejo um reflexo diferente na água, depois uma caveira e uma rosa. Um rabisco em preto e branco esperando para ser colorido, ou não. Singelo em sua forma, fixado ali na pele, sob um céu nublado. O dia começa, e eu imagino tudo outra vez. A vida ficou mais alegre desde que você me apareceu, como um sonho bom. Cheio de vida.

Yo creo que sí, pero yo creo que no

Quantas vezes você já disse sim, com medo do que aconteceria se o ‘não’ fosse a resposta certa?

 

O certo nem sempre é o certo, a antítese também serve para o errado. Relativismo incrustado na tomada de decisões. A verdade muitas vezes se perde no tempo. Fica a poeira da mentira em que as pessoas preferem acreditar. Sim e não. Depende do interesse, do que a pessoa quer ouvir, do que ela quer conseguir, da finalidade das pessoas envolvidas. Contratos de amizade, jogos de ações e atitudes que manipulam egos vazios. Muito além do que sente, não foi o preço que se pagou. Amor e paz não costuma se negar a ninguém. O amor nem sempre é capaz de parar uma guerra, mas a paz anda em falta no mundo. Um infinito de palavras procurando informações. O desafio é saber a hora certa de dizer não. 

Sim.

Post-mortem

A morte sempre tem histórias para contar, e ela sempre diz olá. De vez em quando aqui, vez em quando acolá. Tudo ficou escuro, e o olhos se fechavam e piscavam em pequenos pontos brancos. Distantes. O coração diminuiu o ritmo, a pressão arterial e a oxigenação do corpo idem. O sal e o açúcar entraram em conflito com o líquido vermelho universal. Os anjos com suas áureas douradas tocavam harpas desesperadamente. Um protegido dos céus estava se despedindo da vida, sem passar pelo juízo final. Os feitos em vida talvez pesariam para o lado oposto, subterrâneo. De um jeito ou de outro, as canoas de ceifeiros aguardavam miraculosamente a próxima vítima. Silêncio, descrença e um cintilo de fé. Uma combinação não muito agradável para quem desejava atravessar os portões brancos de Éden. Gritaria, semi-infartos. Pessoas desesperadas. Telefonemas. Por um momento o mundo havia acabado, e a pergunta pairava no ar: será isso que resta depois do fim? Um frio aparentemente eterno, vazio de almas, a libertação e a remissão de todos pecados. Liberdade para ir e vir no meio do nada. Todas memórias desaparecendo do mapa. Toda vivência e histórias de vida indo para o subconsciente de uma outra memória. Uma outra memória que já não se encontrava mais ali. O pensamento criador tinha criado seu próprio fim. Irônico e ao mesmo tempo supérfluo. Indigente. Espamos involuntários numa cadeira cinza. Gotas de sangue recém caídas após o choque com a haste de ferro. Tudo isso, sem perceber. Mas depois, perverso, e impossível de não virar uma lembrança. Até que o buraco negro de pesadelos reais e límpidos acabou; pôde fugir da morte e não morrer ali mesmo, sonhando com a vida. A morte pareceu eterna ali, e, por um instante, pensou que fosse ir embora de sua coexistência. Sem chama, sem vento. Um sopro de vida, que quase esqueceu de dizer adeus.

Areia

De repente, tudo começa a fazer o mais completo sentido. A peça que faltava para o quebra cabeça ficar preenchido. Muitos gritos são dados no silêncio de um pensamento. No sono profundo, a verdade aparece-me como um sonho; e ao acordar o pesadelo se repete sem hesitar. Idealizo: dessa vez vai ser diferente. Mas, esqueço que é quase loucura tentar acreditar duas vezes na mesma pessoa. A verdadeira face se revela quando menos se espera. Sob a luz da lua e de frente para o mar. O filme é quase o mesmo, eu sei, mas se assisto de formas diferentes, como é que ele termina quase sempre igual? Mas, filmes são como sentimentos: feitos para acabar. O que é para ser meu, está bem longe de começar a começar.

Tão só, e só somente

. Eu sou. A solidão é a minha melhor amiga, e o silêncio não precisa mais ser convidado. Já é da casa. Meu mundo gira como gira para todos os outros, mas parece que para mim ele gira de forma reversa. Meu sono é pesado, e costumo sonhar sempre. Os sonhos me ferem sem que eu perceba. Sonham os sonhos, sem que eu queira, no meu profundo inconsciente. O meu silêncio grita por socorro, e já não sei como socorrer o mal que causo a mim mesmo. A luz no fim do túnel se apaga todos os dias para mim. Tudo que vejo é uma neblina de desesperança pairando sobre os meus olhos. A morte parece ser muito pouco, um fim banal. Ninguém seguiu meus passos, ninguém observou minhas lutas, ninguém viu a minha queda. Ninguém escutou as minhas lágrimas. O que eu vivo, esse ego caos, não gostaria que fosse vivido por ninguém. O perto distante está cada vez mais longe daqui, e o caminho é confuso. Sabe-se lá como não aconteceu o pior e não me perdi. Sobre estar só, eu sei. Procuro uma saída e encontro outras portas de entrada. Penso tanto, mas o pensamento sempre volta para algum mesmo lugar. O meu sorriso diz o que não digo, diz também o que eu digo e o que eu gostaria de dizer. Meus olhos com olheiras são distantes, olham para o real, mas sabendo que o real não está realmente ali. O meu campo de visão vai além do que pode ser visto, e ninguém entenderia o motivo, então guardo para mim. Os meus sentimentos dividem-se em corações distantes daqui, um pouco em cada alma. Luz, escuridão, vida, paz, entendimento, amor e o silêncio da estrada no carinho da noite.

Tão só, e só somente. Eu sou. Tanto, e sempre.