Transfusão

Transfusão

Em cada manhã eu me reinvento, te reinvento. Nos reinventamos. Não há nada que possa te tirar daqui. Em cada suspiro teu eu prendo minha respiração. Sufoco, quase me mato com a falta de ar. Quando o organismo involuntariamente respira, é ali que meu coração se junta ao teu. No silêncio do pulsar de um coração nossas mentes se encontram. É como se você já tivesse feito parte de mim, como sangue arterial e venoso circulando juntos por todo nosso corpo. Sou do tipo sanguíneo O+ (positivo), e eu ainda não sei qual é o teu. A noite é escura e cheia de terrores. Meu pesadelo é deixar de sentir que teu orgulho se perdeu do meu. Que em cada manhã, e em cada amanhã, a gente saiba o caminho para se reencontrar e viver novamente. Assim como um machucado que sangra um pouco, e querendo ou não, sempre leva um tempo para cicatrizar. Cada noite de um sonho de verão eu te sinto mais perto, e tua ausência se confunde um pouco com a minha. Onde já não sei mais se fui eu que parti, ou se foi você que me disse adeus. Em cada despedida eu te reencontro outra vez, esperando um dia em que não precisem mais de uma ampola vazia para esvaziar uma veia minha. Uma artéria nossa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s