Azul

As filas não andam, elas só se modificam. Não falo só de pessoas, falo também de razões e sentimentos. Inevitável o efeito do mar, sobre quem sabe captar a energia que ele tem para nos dar. As ondas sempre trazem o que se espera, mas nunca levam o que se deixou. A água não era límpida, bastante turva, deveras. Areia escura e morna. Águas de côco e caipirinhas. O sol arde forte no céu, enquanto o bronze se instala na pele. UV extremo, não estamos nem aí. Se tudo der errado, botamos a culpa na melanina. Coitadinha. Gente estranha no quiosque. Red Hot Chili Peppers e The Smiths, até um dueto maluco começar a cantar baboseiras e músicas sem melodia alguma. É preciso saber lidar, mas não se misturar. Feito água e óleo, bicicletas e automóveis se misturam na avenida de pedra e resquícios de areia. As nuvens aos poucos excluem a visão das montanhas, e os barcos de pescadores ancoraram nas ilhas. Vou-me embora para Paraty, para para para ali. Para ti. Literaturas e casas de séculos passados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s