Por enquanto, Curitiba

Já não sei mais quantas vezes vou ter que me despedir dessa cidade. Já me perdi fazendo as contas de quantas vezes eu parti e voltei para cá. Amanhã vai ser mais uma despedida minha. Sempre me lembro com saudade de quando eu era feliz aqui, mas, me esqueço, que lembrar com saudade é como se despedir de novo, como diria minha amada Srta. Lispector. Os dias tem se sucedido numa calmaria que chega a me incomodar, o tempo parece não passar aqui, ao contrário dos que os carros demonstram nas avenidas. Buzinando de um lado para o outro, de repente se ouve um ‘filho da puta, vai tomar no cu, não sabe nem dar seta, não sei como que tirou essa carteira’. A tristeza já não me abala mais, o que me incomoda é eu estar pleno de tudo que aconteceu, e estar indiferente a tudo isso. A minha identidade se perdeu, hoje eu já não me reconheço mais. Não me lembro de como eu costumava ser, e também não sei o que é que me tornei. Gosto de dizer que sou um lobo fora da matilha, ou melhor, o lobo que não pertence a nenhuma matilha. Também já não sei mais o que me prende aqui, a princípio tudo foi do jeito que imaginei. De repente, já não sabia mais se a cidade era a mesma que eu idealizava na minha mente, e que até pouco tempo atrás, me fazia se sentir perfeitamente bem. A minha vida sempre foi uma eterna mudança, nunca consegui manter vínculos duradouros com ninguém. Sou um turista por todo lugar que passo, e não tenho medo das coisas sempre mudando de lugar. Num futuro próximo, sei que muitas coisas vão mudar minha trajetória de vida, para sempre. Vou encará-las de frente, arriscando, e sem medo de ser feliz. Talvez eu até volte ao lugar que por tanto tempo me acolheu, talvez eu vá para o lugar em que, no fluxo certo das coisas, seria o meu destino inicial. Um pouco de tempo atrás, ali no fim de 2011 e nos primeiros meses de 2012; aquele lugar em que eu estava pronto e destinado a viver. Era um recado da vida que no fundo queria dizer: você tinha que passar por tudo isso, para ter mais vivência, e depois decidir qual cidade te fará se sentir morando num lar, e não numa casa. Por enquanto, Curitiba ainda é minha casa, mas, meu coração já foi embora faz tempo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s